terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Maratonna Madonna

Finalmente dezembro chegou e o Papai Noel trouxe o presente antecipado: 3 super shows da Madonna em São Paulo. Fui em todos e cada um foi uma sensação diferente.


Day 1: 18 de dezembro
Não estava nos meus planos esse dia. Mas a Paty me deu um ingresso de camarote, que no meio do caminho (porque o trânsito estava infernal) ganhou um upgrade para pista vip (thank uuuuuuuu!!!). Fui com a sister Ká, que dividiu comigo a tensão de chegar no estádio no horário e também a emoção de ver a primeira apresentação da loira na cidade.
Ver Madonna de tão perto é uma sensação indescritível. Já tinha visto de pertinho em 93 com a turnê Girlie Show, mas essa Sticky & Sweet é coisa de outro mundo. A mulher é um mito e tá lá na sua frente, sorrindo, dizendo que ama São Paulo, pedindo desculpas por demorar tanto pra voltar, sendo simpática. Pô, a fama dela é ser cuzona!
O show é fora do comum. Telões gigantescos compõem o cenário e são parte fundamental dele. O repertório, baseado principalmente no último álbum, Hard Candy, é separado em blocos temáticos, o que transforma o show ainda mais divertido e not boring at all. A voz dela falha? Sim. Ela dubla algumas músicas? Sim. Mas foda-se. Quem tá lá sabe de tudo isso e não atrapalha em nada a mega-produção.
Depois do famoso "game over" da imagem final dos telões, comprei meu tour book, fui pra casa ainda elétrico. Tão elétrico que lavei louças às 4 da manhã!

Day 2: 20 de dezembro
Sábadão, dia de geral. Fui de arquibancada e com turma grande. Nando, Marina, Roberta, Juliana, Amanda e Marino, que veio do Rio especialmente para o evento (porque os shows do Rio não bastaram). É muito gostoso assistir com bastante gente, e de longe o show ganha outra dimensão. Os telões que de perto são grandiosos e intimidantes, de longe são de uma eficiência impressionante. Vários elementos que de perto eram pixels, quando vistos de uma distância maior ganham força absurda. O maior exemplo disso é "Devil Wouldn't Recognise You", onde Madonna se encontra dentro de um jogo de telões de forma redonda, com imagens de gotas d'água que caem de acordo com a música e envolvem a cantora, que canta de capuz em cima de um piano. Impressionante, absurdamente lindo.

Day 3: 21 de dezembro
Último show no país e também último da turnê. Parece muito ver o mesmo show tantas vezes, mas acreditem, não é. Se tivesse outro hoje, eu não estaria blogando agora. Neste dia fui de vip também. Fui com o Marino e a Paty. Pulamos muito, dançamos e gritamos porque esse era o último. O ÚLTIMO! E titia Madonna sabia muito bem disso. Agradeceu toda sua equipe, à seus filhos que lá estavam assistindo, aos fãs e à cidade de São Paulo. Foi emocionante. Ela chorou em "Devil" e mais ainda em "You Must Love Me", onde até mesmo secou as lágrimas com as mãos levadas ao rosto. Foi lindo mesmo. E ficou a promessa de que não vai demorar tanto assim para voltar. Já estou na espera.
Nesse dia encontrei vários amigos: Jeff, Flávio, Raúl, Vlad, Leandro e Márcia. Muito legal reencontrá-los! Parte ruim do dia: Marino teve a câmera roubada na muvuca da saída. Muito chato! Além de ter perdido a câmera, lá se foram as fotos e vídeos que ele fez dos 4 shows que foi. Péssimo fim de noite, que só faz a gente lembrar que o mundo tá cheio de filha da puta.


Heu na pista vip, dia 18

Melhores momentos:
Devil Wouldn't Recognise You
Vogue
She's Not Me
Into The Groove
Like A Prayer

3 comentários:

jpzanette disse...

SEU DOENTE
os 3 DIAS?!?!??!?!

AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH

INveja das grandes

Pathy disse...

Foi um enorme prazer...sabes que é o número 1 na lista de preferências rs...Aquele ingresso tinha que ser seu. E o último era nosso rs...tínhamos que assistir juntos, afinal foram meses de espera e vc acompanhou todo o trabalho que eu tive com a Madame X hehe...terminar minha Maratonna com aquele pocket show da tarde não tem preço. Se bem que eu não paguei nenhum dos 4 que assisti hehe...Ah, paguei sim..com o suor do meu trabalho...Mtos bjos...aguardando o DVD...PatHy

MANS / ANDRÉ disse...

estou contigo e não abro