quarta-feira, 20 de abril de 2011

My Rox Experience



Falar de Roxette é falar de adolescência, amigos, de momentos inesquecíveis na minha vida. Virei fã lá em 92, quando eles vieram ao Brasil pela primeira vez, com a Join The Joyride Tour. Naquela época, comprei os 2 CDs disponíveis no Brasil e também o ingresso para a apresentação. Fomos em turma, ficamos lá na frente, do local que hoje conhecemos como Arena Anhembi. Cerca de 40.000 pessoas presentes, no auge de Spending My Time. Quem abriu foi o Supla, que em comum com o Roxette (mais especificamente com a cantora Marie Fredriksson), tinha apenas os cabelos descoloridos. Durante a apresentação dele uma amiga quase desmaiou, e lá fomos nós para o fundão. De lá presenciamos um show inesquecível, do álbum mais clássico da banda, que era lançamento. Cheguei a montar fã-clube, conheci um monte de gente, me diverti a beça. Na época a gente só tinha informações através de jornais e revistas, importadas na sua maioria, e ouvia as músicas só depois que o CD saia, ou o single era lançado nas rádios. Como era bom degustar música!



Em 95, a dupla voltou para shows do álbum Crash! Boom! Bang!. No Olympia, casa menor, logo, melhor para assistir. Cheguei cedo, fiquei na grade. Dessa vez a amiga que quase desmaiou no show anterior, nem foi convidada... melhor prevenir. Show que começa com Sleeping In My Car, não tinha como ser ruim. Inesquecível, indescritível. Marie Fredriksson dominava o palco, olhava no fundo dos olhos da plateia. Já Per Gessle era mais tímido, fixava o olhar lá no fundo. Na saída, os esperamos nos fundos do Olympia, pegamos autógrafos. Eles foram muito simpáticos, sorridentes. Não consegui falar nada além de "thank you". Nervosismo a flor da pele.



Muitos anos se passaram, alguns discos, muitas coletâneas, projetos paralelos, um câncer que quase tirou a vida de Marie, e eles voltaram este ano. Charm School, o último álbum, provou que continuam em forma e ainda mais classic Roxette do que os álbuns anteriores. O mais impressionante é que não somente o álbum, mas também uma extensa turnê mundial foi anunciada. Bom pra nós que ganhamos 5 apresentações no país. Duas aqui em São Paulo.



O Credicard Hall foi o local escolhido para abrigar os shows. Embora bonito, é famoso por ter uma das piores acústicas entre as casas de show de São Paulo. No primeiro show, do dia 14, o som estava abafado e um pouco embolado. Pelo menos foi assim na pista vip. Já no dia 19 o som estava mais claro na pista comum. Ouvimos melhor os vocais, mas também não foi o ideal. O repertório foi o mesmo nos dois dias, exceto por Silver Blue que apareceu no primeiro e deu lugar para Stars no segundo. Marie não está na forma de outrora, mas tem um encanto surpreendente. Percebe-se a garra, a força, o que faz com que cada canção seja uma vitória. Foi lindo e emocionante vê-la cantando Perfect Day e Watercolours In The Rain, ambas do álbum Joyride. Per Gessle, por sua vez, se antes era o cara tímido que olhava para o horizonte, hoje é o entertainer que domina a situação e anima o público. É notável como sua presença de palco cresceu.



Entre tantos momentos, destaca-se o coral do público em It Must Have Been Love e Spending My Time. Não dá para saber o que é mais emocionante: ouvir o coral da plateia, ou ver os rostos de Marie e Per fascinados, observando tudo. Lindo demais! O set list misturou mega hits, músicas novas e sucessos menores, como Opportunity Nox e 7Twenty7. Teve para todos, menos para o álbum Room Service de 2001, que não teve uma música sequer. Pena... mas não se pode ter tudo. O álbum mais presente foi Joyride, com nada menos que 8 músicas. O último single, She's Got Nothing On (But The Radio), tem uma força especial ao vivo, ganha muito e foi um dos pontos altos. Tem tudo para ser um dos clássicos da dupla, do porte de The Look e Joyride. O tempo dirá.



Agora a turnê prossegue, muitos shows pela frente. Histórico, emocionante e, claro, saudosista. O Roxette é muito criticado por ser pop demais, por ter baladas demais. O bom disso é que quem gosta, gosta de verdade, se entrega. Essa turnê veio mostrar que os fãs estavam esperando e estão muito felizes com esse retorno. Vida longa ao Roxette, e que venha o DVD, BD, CD e afins!


Set list dos shows em São Paulo:
1. Dressed for Success
2. Sleeping In My Car
3. The Big L.
4. Wish I Could Fly
5. Only When I Dream
6. She’s Got Nothing On (But the Radio)
7. Perfect Day
8. Things Will Never Be the Same
9. It Must Have Been Love
10. Opportunity Nox
11. 7twenty7
12. Fading Like a Flower (Every Time You Leave)
13. Silver Blue (dia 14) / Stars (dia 19)
14. How Do You Do!
15. Dangerous
16. Joyride

Bis
17. Watercolours in the Rain
18. Spending My Time
19. The Look

Bis 2

20. Way Out
21. Listen to Your Heart
22. Church of Your Heart


play>> Roxette - Staring At The Ground

8 comentários:

Jeff disse...

Emocionante os seus "relatos" amigo. Realmente, quem gosta, gosta MUITO.

André Mans disse...

relato de fã
relato de abraço

Anônimo disse...

parabens pelo texto!muito bom!

Glayson disse...

Eu estive neste último show em Sampa e foi sensacional.
Sinto uma certa inveja de vc por ter assistido aos dois shows das duas grandes turnês do Roxette, onde estavam em plena forma física e no auge do sucesso.
Enfim, foi uma experiência única ter assistido a este show e poder presenciar a performance e as músicas da banda que se fez presente na minha vida e me deu mts alegrias por longos e longos anos.

Andre Ameruso disse...

Ótimo relato, Heitor. Ótimo show e ótimo estar com vocês nos dois dias. Só faltou "Real Sugar". :P

Danilo disse...

huahuahua, eu lembro desse show no Anhembi, long long time ago !! hehehe

Luiz Alexandre disse...

MUITO BOM seu texto... sorte a sua mesmo ter visto eles na Join The Joyride e na Crash Boom Bang. Quem dera! Mas me sinto muito sortudo só de ter ido a dois shows da Charm School e de ter falado com os dois.

Anônimo disse...

"ROXETTE" SEMPRE !